O poeta

“Um poeta já nasce poeta, morre menos poeta do que nasceu.

Sua vida absorve essência que com presteza transforma em ilusão.

Este mar no qual navega. Neste mar no qual se perde. Neste mar o qual te leva.

Quanto mais longe e fugaz é o sol poente,

mais belas serão as palavras nascentes do coração perdido,

ora embebido em singeleza, ora destemido em irascível dor,

ora levado pelo vento da paixão, ora arrastado pela força da ilusão.

 

O poeta é o contador de estórias sem razão,

movido pelo sonho e guiado pela imaginação.

É ver sentindo, sentindo e vendo.

Com tanta agudeza percebe a beleza,

assim como tão contundente

se sente a rudeza. ”       

Mara Romaro  17/11/2008

Anúncios

6 comentários

  1. Jair Vargas · março 8

    Magnífico 🙂

    Curtido por 1 pessoa

  2. Alda M S Santos · março 8

    Profundo e singelo!

    Curtido por 1 pessoa

  3. mariel · março 8

    Um poeta empresta sua poesia à vida. Muito legal.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s