Bambuzal


Bambuzal

 

Todo dia isto está assim

Acordo e vivo

por onde ando comigo

sinto o perfume desse Jasmim

Uma calma que me ama

Uma prece que me veste

Está em mim, no meu ar,

no meu gosto, no meu susto,

no meu rosto

Quando olho em brilho negro

Quando sinto a vida verdejar

Quando deito em capim

Quando eu amo o que está em mim

Em uma vida que guardo de cada olhar

 

Estalidos contorcidos que se deitam ao ar

Fitas verdes debruçam arcos

Uma multidão de plantas aquáticas

Se confinam

Se derretem  Se parafinam

Em um brejo invadido de escombros

Escuto as vozes e os bambus com assombro

Verde deposto em palha

Ainda escuto cigarra

A despertar meu pranto

A adentrar meu canto

 

Estalidos do outono

movimento dos pântanos

meu lugar perdido

esse verde antigo

se perde agoniado de mim

 

Seguro um ramo

uma vareta de bambu

Saio entristecida com tudo aquilo

que roubaram do fim

 

Mara Romaro

01/05/2017 22:15 H. Em casa.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s