Semanário de viver -23 julho-10 agosto

[ Após as experiências de uma frase ao dia, resolvo escrever anotações diversas da vida, de percepções e coisas que fiz. Resumo alguns pontos que colhi como interessantes. ]

Semana de 23 a 29 de julho

Entre momentos vazios, reorganização de lixo e nicho ou mich. Tive dor, tédio e noção de poção. Tento esvaziar emoção com ocupação vazia e palavras me tropeçam em carvão e musgo e palha de grama seca. Atormento o dormir, acordar do ‘não consegue’(…) Não razão me aprofunda voz do sino caído (…)

[30] Dor. Água esvaída. Ponho sol no copo e bebo com rum.

Semana de 30 de julho a 5 de agosto

[31] (…) O fosso profundo, não é raro, não é imundo, mas percebido cheio de dor física, dor de dúvida, dor de ausência

[2] O ar da manhã traz o sorriso de humor do meu querido, andamos juntos, nos fez bem. Samantha com café.

[4] Um tempo interessante a ser passado na Biblioteca

[5] (…)restauro a luminária antiga da haste flexível e sua cúpula côncava. Já fustigada de pontos oxidados e brotos de ferrugem. Limpa e mantida a pátina pertencida, agora tenho a lamparina. Luz divina no obscuro, curo com circo e com teatro de pano (…)

Semana de 6 a 12 de agosto

[6] (…) na avenida de veludo do sol esverdeado da manhã. Um vento forte de inverno adormece a solidão e me abraço em músicas e no verde. As flores de trepadeira de mato, laranjas como pequenos sinetes estão reluzentes, contrastando o barranco (…) me admoestei com pensamentos que poderiam me colocar sempre como um alvo indefeso para as enormes desconfianças que devem revestir os temores de minha ex-amiga (…)

 

[7] (…)me é servida em café, em respirar, em acordar. Como se fosse iguaria posta à mesa, à semelhança, como uma fruta falsa de cera, não comestível. Apenas me é servida, junto com minha vida em restrição (…)

(…) energia ruim de três coisas: – Ganância, avareza e inventário. Duas eu não tenho, a terceira queria me furtar e todas estas são contaminantes uma da outra (…)

[8] Oração, no santíssimo, com desenho in loco do anjo querubim protetor. Correções de textos e identificação de erros.

[9] Madrugada. Deseja água e descanso. Dor que me espanta. Um uivo longe me acompanha. São 4:20 H e os seres noturnos estão de pé.
Quero que o dia me suspenda em lenços.
Que de tão leve minha saliva flutue.
O sol nasceria no nascente da palma de minha mão esquerda. Na direita nasce o pó de café.
Na xícara caberia um sorriso de amanhecer…
Nasceria novo feito uma manta morna a cobrir seus pés.
Afagaria minhas mãos com vida a espanar o pó dos erros e rabiscos retorcidos.
Nem preciso de mais um bocadinho d’eu.
Sempre fui tua, de alma crua de verdade.
Nem teve tempo pois o tempo a reteve.
Eu me pergunto se meu eu esteve vazio no seu eco de universo viver…
Meu estômago se ressente de tudo e das chamas que comeu.
9 ago ao lado da cama em sofrer .

Catei meu edredon preto e branco, travesseiro, livro do Saramago, celular e fone, levei ao mezanino. Voltei preparei um chá aos olhos da gata que me acompanhou em tudo. Subi, a dor nem me permitiu aguentar na poltrona ao ler Água Viva da Clarice. Pus-me à mesa, então, vou escrever o livro, com dor. Li o postit ‘Sem amarguras’, Li duas folhas de Saramago, sorvi meu chá, pensei: – “Um chá sempre melhora tudo”. Escrevi segundo capítulo rangendo dente de dor e a gata com o focinho no meu pé, mas vamos lá, não me entrego. Deitei no colchonete e repousei enquanto o remédio ia fazendo efeito e sonhei com a personagem. Já eram 6 e então dormi por menos de 1 hora. Mas me reergui, abatida, assim mesmo fui para minha atividade no lago, escolhi alongar, caminhar, exercícios possíveis, não me curvarei para a dor.

[10] E tudo continua, até aquilo que podemos desenhar diferente, suportar e certificar nas colunatas mais firmes de qualquer doutrina, que há de fato a cor dourada do amor abnegado, e a luz que emana sob qualquer circunstância transpassando cristalinamente o vidro, o vitral, vidraça, a retina, porque sob forma de carinho não se forma nenhuma sombra. Ainda que a luz refrate, permanece luz que deita como cor, adormece e permanece o amor. Isso não se recobre de vazio.

 

Experiências:

– Fazer coisas em horários diferentes

– Estudos literários na Biblioteca Municipal, outros livros de leitura voltados a infanto-juvenil

– Atividade de alongamento e relaxamento ao ar livre

– Dedicação ao livro infanto-juvenil e editoração dos livros de poema

– Bloqueios vencidos, não fazer atividades forçando-se, deixar a fluidez e estes problemas já se dissolveram

– As atenções às pessoas, devem ter mais amplitude e gestos concretos

– Proteger-se de injúrias, ainda que não factíveis.

– Aproveitar as insônias para algo bom

– Esboços no dia a dia, desenhos para os livros

Anúncios

2 comentários

  1. Anderson B. · agosto 12

    Muito bom o conteúdo
    Parabens poeta

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s