Brincadeira da Lata

(25/01/2018 10:15 Para Marcos)

Dias que já houveram se despedido
Sol do ‘Morro’
Vozes no eco eco eco
Lata batida nas mãos do moleque
Ansiedade sacudida nos solavancos
No sol ardido – o teco-teco
Criançada corre desembestada
Platô argila riscado de quadrado
Pontos marcados para andança
Riscos transversais
Centro – a lata e uma baqueta
Meninada suarenta
esperando fazendo careta
decisão no jankenpon     quem vai bater cara
irmãos em seus pontos adjacentes do quadrado
O tonto de olhar atento
à espera do embaralhar da ordem
Um grito põe o jogo em movimento
Bate-cara grita: Lata!
Criança no canto direito do quadrado
Caminha ao centro
Agacha, dá estampidos secos com vara
Todos estacam
Saltitante o menino da lata toma outro lugar
Assim vai, adjacentes nas transversais
A fila toma outra ordem
Tonto olha atento até que tudo volte
Lata! Risadas e passos apressados
Ali! Ali!

Mamãe observa de canto na torcida
Depois de tanto
Alguns já se perguntavam
Alguém lembra a ordem?
Quem vem primeiro?
Alguém diz
Vermelho Vermelho
Azul Listra Amarelo
Ah! Bom jeito de saber
Grita: Lata! Lata! Lata! Formou!
Todo mundo sai correndo na mata
Tonto tenta pegar um depois outro
Consegue só dois
Todo mundo na barra da saia
Tonto de cara amarrada
Marcos inventando tudo
Todo jeito que havia de se divertir
Sem precisar de nada
Lata! Lata! Mãe chamava
Todos gaforinha, uns na dança de São Guido
Chulé de terra, cara enlameada
– Entra na Kombi, não toca em nada!

Todo mundo cheirando frango
Voltávamos para casa

Mara Romaro
25/01/2018 término 10:40 H.

Verso da Folha:

Refere-se a brincadeira, em chão riscado a graveto, um quadrado cortado em diagonal, com uma lata no centro, onde o objetivo é embaralhar com o ‘bate-cara’ cada vez que citasse o termo Lata, um elemento próximo à quina de entrada ao centro, andava, batia a lata, saía no outro vértice, tomava outra posição, enquanto o ‘tonto’ tinha que perceber quando a ordem voltasse ao original, gritava-se ‘lata’ três vezes e todos corriam, se ele pegasse mais, ganhava, enquanto todos iam a um pics. Mais ou menos assim, não era bem assim, mas a brincadeira era feita em um lugar no topo terraplanado de um morro, no jardim paulista, nas tardes que mamãe resolvia levar o ‘milharal’ de filhos para brincar. A brincadeira fora inventada, como outras por Marcos.

Música: The love Dance – Mystic Diversions

Local: Pç do Retiro

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s