Magma

 

A vida está aí

casas coloridas

estradas molhadas

você busca em si uma liberdade

coisa que nem imagina o que possa ser

Sente aqui e ali

machucados a parte

Subida íngreme

no alto o vento arranca toda sua certeza

Não há certidão de nascimento

Nada é único dono

É tudo de segunda mão

As virgens vestais foram abusadas na infância

Amor não é um só

E vou, agora é andar

tentar ignorar as dores

a decepção das experiências

Agora me conheço

Nasci ontem

Meu choro é alto e estridente

Todo dia me sentirei esse ser

que acabou de ser arrancado à força da mãe

Tudo que me aconteceu

só assim sou o que sou

É indigesto

Quando penso nos 500 dias

de prantos de desesperos

eles foram muito mais que 700

A verdade me apunhalou

apunhalou

Estou viva porque já morri antes

nasci como roseira

E das roseiras que plantei para cada deus

uma delas era eu mesma

Floriu uma vez

cada vez com meus bebês aninhados

dentro da minha mão

Vivi o mais estranho dos amores

Dele ainda estou começando a subir a montanha

me deu prazer de sofrer, de morrer,

de renascer

e de eclodir sem a pele

me envenenar do prazer inventado

material feito de reações químicas

alquímicas

Agora entendo a sensação de implosão por dentro

Era um dragão de três cabeças

Um ponto de fuga divergente

Nada isósceles

Nada de triunfos

Durmo em colchas de raio ultravioleta

Aconteceu como escrituras

Eu descobri outras vidas

Premonições não me salvaram

A surpresa do amanhã

eu não sei

fico sentindo o ar da manhã

do amanhecer

Sinto a liberdade de poder ser tudo

Esperando a esperança sobreviver

nos brotos da romã

Não posso mais doer

Nunca tive culpa

A plenitude pode nunca me beijar

No entanto, sinto-me estranhamente

feliz

de ter visto a beleza inacreditável

desse meu núcleo magma

 

Mara Romaro

07/06/2017 12:15

Vesúvio

 

Vesúvio vira gargalo de groselha

Lava o fogo

Lava apaga

Cinzas e sombras das pestanas

Morde a carne, sangra

Verte pelo meio da boca

pelo vértice do lábio inferior

Fenece

estremece

a mordida do flamejar

Língua do coração de fogo

Labareda de lava

Dos olhos Vesúvio

Dos olhos Distúrbio

De olhar Ventrículo

De amor Versículo

 

Mara Romaro

08/05/2017 17:46

música: Goldene Zeiten – Unheilig